A proposta de reforma da Previdência encaminhada pelo governo Bolsonaro pode ser interpretada como mais um instrumento de uma estratégia ampla para desqualificar a economia brasileira, barateando a força de trabalho e sinalizando ao capital internacional que o país quer se tornar nada mais do que um entreposto da produção global. Um território que não almeja a sofisticação produtiva, mas a colonização permanente.

Trabalho barato desobriga o país de melhorar a educação e condena a renda social a cair.